Forbrukslån | Halvin puhelinliittymä | Kredittkort | Dagens Spotpris | Billigste Tyverialarm | Båtforsikring | Beste Mobilabonnement | Billigste Eiendomsmegler 2018

CHORAMOS NA PRAIA

Em 3 de outubro último, o Movimento Espírita comemorou a Dia de Kardec, em função de seu nascimento na Terra há 214 anos, precisamente. Neste mesmo dia, pobrezinhos do mundo choraram a partida de Giovanni di Bernardone – ou, simplesmente, Francisco de Assis, em 1226. E neste mesmo dia, agora em 2018, o plano espiritual comemora o retorno de um trabalhador exemplar na Seara do Mestre Jesus, por intermédio da Doutrina Espírita: Richard Simonetti, 82 anos, palestrante, autor de 65 livros – mais de um ao ano.

Mas não é do Richard-doutrina que gostaríamos de falar hoje. É do nosso Richard – presidente do Centro Espírita Amor e Caridade por 33 anos, de 1974 a 2007. Muito antes disso, no entanto, Richard entrou para a diretoria, em 1958, participando de todas desde então como secretário, presidente ou vice, até seu desencarne. Foram 60 anos dedicados ao Centro Espírita Amor e Caridade, à ampliação de sua atuação na comunidade e à divulgação da mensagem consoladora.

Sob sua regência – com o apoio, obviamente, de incontáveis trabalhadores do CEAC – nasceram e estabeleceram-se os seis núcleos de Assistência Social que hoje abraçam as famílias em vulnerabilidade, na periferia de Bauru. Incentivou a formação do COEM – Curso de Orientação Espírita e Mediúnica em formato que hoje possibilite a formação de novos grupos mediúnicos ao término de curso, contando a casa já com 92 reuniões em atividade. Em suas palestras, o convite contínuo sempre foi à prática do bem, ratificado por ele em sua última entrevista, já acamado pelo estado de saúde debilitado: “Minha filha, nós temos que convidar as pessoas à prática do bem sempre! Ao voluntariado, seja em reunião mediúnica, para o bem do irmão desencarnado, seja na periferia, onde ainda temos bolsões de miséria”. Inquirido sobre o intenso esforço para ampliação dos espaços de nossa estrutura, Richard revelou: há muitos anos, um mentor espiritual de nossa casa disse que o CEAC seria a “Casa Grande do Espiritismo”. Trabalhou uma vida inteira para isso, angariou recursos para ampliações e remodelações necessárias à sede, a fim não só de acolher melhor os frequentadores, mas principalmente para poder ampliar serviços. Hoje, o CEAC é referência não só em atividades doutrinárias (cursos, grupos de estudo e palestras), como também em acolhimento (grupos de auxílio via atendimento fraterno) e de promoção humana e social. É uma grande casa do Espiritismo.

Austero, nobre, disciplinado, bem-humorado, inteligente, sensível às dores humanas, exigente nas praxes administrativas. Esse foi o nosso Richard.

Antes de partir, consolou ainda familiares através de uma médium muito amiga, de São Paulo: pediu a ela, em desdobramento, que remetesse um texto seu, muito antigo, à esposa Tânia Simonetti, que compartilhou amorosamente em sua rede social, consolando-nos a todos:

PARTIDAS E CHEGADAS

Quando observamos, da praia, um veleiro a afastar-se da costa, navegando mar adentro, impelido pela brisa matinal, estamos diante de um espetáculo de beleza rara. O barco, impulsionado pela força dos ventos, vai ganhando o mar azul e nos parece cada vez menor. Não demora muito e só podemos contemplar um pequeno ponto branco na linha remota e indecisa, onde o mar e o céu se encontram. Quem observa o veleiro sumir na linha do horizonte, certamente exclamará: “já se foi”.

Terá sumido? Evaporado? Não, certamente. Apenas o perdemos de vista. O barco continua do mesmo tamanho e com a mesma capacidade que tinha quando estava próximo de nós. Continua tão capaz quanto antes de levar ao porto de destino as cargas recebidas.

O veleiro não evaporou, apenas não o podemos mais ver.  Mas ele continua o mesmo. E talvez, no exato instante em que alguém diz: “Já se foi”, haverá outras vozes mais além, a afirmar: “lá vem o veleiro”.

Assim é a morte.

Quando o veleiro parte, levando a preciosa carga de um amor que nos foi caro, e o vemos sumir na linha que separa o visível do invisível dizemos: “já se foi“. Terá sumido? Evaporado? Não, certamente. Apenas o perdemos de vista.

O ser que amamos continua o mesmo. Sua capacidade mental não se perdeu. Suas conquistas seguem intactas, da mesma forma que quando estava ao nosso lado. Conserva o mesmo afeto que nutria por nós. Nada se perde, a não ser o corpo físico de que não mais necessita no outro lado.

E é assim que, no mesmo instante em que dizemos: “já se foi”, no mais além, outro alguém dirá feliz: “já está chegando”.

Chegou ao destino levando consigo as aquisições feitas durante a viagem terrena. A vida jamais se interrompe nem oferece mudanças espetaculares, pois a natureza não dá saltos. Cada um leva sua carga de vícios e virtudes, de afetos e desafetos, até que se resolva por desfazer-se do que julgar desnecessário.

A vida é feita de partidas e chegadas. De idas e vindas. Assim, o que para uns parece ser a partida, para outros é a chegada. Um dia partimos do mundo espiritual na direção do mundo físico; noutro partimos daqui para o espiritual, num constante ir e vir, como viajantes da imortalidade que somos todos nós.

Richard Simonetti

 

Neste dia 3 de outubro de 2018, porque ainda somos pequenos, choramos na praia. Mas também choramos de gratidão a Richard, e ao Pai Maior, pela oportunidade de vivermos ao mesmo tempo de um missionário notável que nos influenciou, no campo pessoal, de tão diferentes e profundas formas. Na margem de lá, por muito agradecer, certamente uma multidão de vozes também chora na praia, agora de alegria, pela chegada de um amigo querido.

 

 

Por Ângela Moraes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *